Guarda-chuva: vilão ou heroi?

Guarda-chuva: vilão ou heroi?

O guarda-chuva é uma das muitas conveniências da vida que parecem essenciais hoje. Assim que o céu fica nublado é o primeiro a ser lembrado, mas esquecemos o serviço que ele nos presta assim que o tempo melhora. Bora, Decora! descobriu que o guarda-chuva tem a imagem de um objeto útil, mas é tratado com negligência, pois nunca é objeto de uma compra planejada, mas sim de uma necessidade. O fato de ter que ser carregado para lá e para cá em dias chuvosos e, pior, ser constantemente esquecido quando a chuva já passou, é motivo de transtorno para muitos. É como se alguém se sentisse culpado de possuí-lo e usá-lo.

No entanto, não há muito tempo, nossos ancestrais não conheciam a alegria de caminhar sob uma chuva torrencial enquanto permaneciam secos. Há apenas 70 anos, ter um guarda-chuva era um luxo que poucos podiam pagar. Mais do que uma proteção contra a chuva, era também uma proteção contra as inúmeras doenças provocadas em pessoas que ficassem expostas diretamente à chuva. Ou seja, sim: o guarda-chuva contribuiu à sua maneira para o prolongamento da vida no início do século XX.

O guarda-chuva vem de uma família muito nobre: o guarda-sol

A sombrinha era uma proteção contra o calor e os raios de sol. Sua criação remonta a tempos muito antigos e foi um emblema universal da realeza e do poder. Mais do que uma proteção contra o sol, servia sobretudo para manifestar seu status real ou divino. Encontramos essa imagem em esculturas no antigo Egito, na Pérsia, na antiquíssima civilização chinesa e na mitologia hindu. Sempre o mesmo símbolo, uma personalidade protegida por um guarda-sol carregado por um ou mais escravos.

Na Grécia antiga, a sombrinha era exclusivamente um acessório feminino. Ter uma sombrinha como homem era considerado um sinal de fraqueza. Da Grécia, seu uso se espalhou para Roma. Novamente, seu uso foi reservado para uma classe de alto escalão. Objeto de luxo, adornado com tecido de seda, bordados majestosos, adornado com ouro, a sombrinha só era usada no tempo seco. A proteção contra chuva que ela podia fornecer não ajudava. A classe alta não saía quando chovia e, em geral, nossos ancestrais confiavam mais em seus casacos do que em seus guarda-chuvas para se proteger da chuva.

Finalmente reconhecido pela sua real utilidade

A partir do século 18, aconteceram os primeiros usos de guarda-sóis e guarda-chuvas na Itália, depois na França e finalmente na Inglaterra. Ainda não podemos falar de um uso real, mas sim de um objeto exótico da China, uma fonte de curiosidade usada aqui e ali para se proteger do sol e da chuva. Surpreendentemente, os ingleses lutaram para se familiarizar com esse objeto de proteção. Havia muita relutância do outro lado da manga, ridícula, perigosa, reservada às mulheres, o guarda-chuva não tinha boa imagem nas ruas de Londres. Sem contar que os primeiros modelos eram pesados, difíceis de abrir, caros e, em última análise, não muito convenientes de usar. Mas a invenção estava lá e seu benefício em caso de chuva era significativo.

Um guarda-chuva molhado não deveria ser dobrado, pois isso enferrujava a moldura e apodrecia o tecido e quando não estivesse em uso. Felizmente, essas restrições não se aplicam mais aos guarda-chuvas modernos que são feitos de tecidos tratados e materiais resistentes. Para que seu uso se generalizasse, não menos do que 300 patentes depositadas em alguns países da Europa foram necessários para melhorar sua fabricação. O tafetá oleado que formava sua tela perdia a elasticidade quando ficava molhado por muito tempo. Por isso, foi substituído no século 19 pela alpaca, tecido mais leve quando molhado e acima de tudo mais barato de fabricar. Hoje a tela mais usada é o poliéster. Leve, resistente, permite antes de tudo preservar o brilho das cores. Os modelos mais recentes de guarda-chuvas utilizam materiais leves como alumínio, fibra de vidro e são muito fáceis de usar com abertura e fechamento automático.

Bora, Decora! ajuda você a acomodar o seu guarda-chuva

Então, achou interessante a história do guarda-chuva. Para você ele é um parceiro que te mantém seco nos dias molhados? Então é hora de arrumar um cantinho bem legal para ele. Concorda? Escolha o porta guarda-chuva que mais combina com a sua decoração e preste essa homenagem. Aproveite para navegar no site Bora, Decora! para conhecer a grande diversidade de itens para decoração e utilidades, conferir os prazos de entrega, formas de pagamento e o que mais precisar saber. Nos encontramos lá. Bora decorar o canto do guarda-chuva!

Deixe uma resposta

Leia também
Todos os artigos carregados.
Sem mais artigos para carregar.
Conheça esses produtos